terça-feira, 26 de maio de 2015

Alguns problemas que surgem na Criação....

Alguns Problemas com as posturas das Canárias e com seus ovos....


Ovos de Casca Mole:

Algumas fêmeas de aves podem colocar ovos com a casca mole.
Se isto ocorrer apenas com um ou alguns ovos, o problema será devido à carência de minerais, principalmente de cálcio.
Dê suplemento mineral indicado pelo veterinário.
Se todos os ovos colocados pela fêmea forem de casca mole, é sinal de distúrbio hormonal.
Neste caso, o tratamento nem sempre é eficiente, pela dificuldade de detecção da hormona causadora.


Ovo Atravessado:




Qualquer criador deve estar preparado para, mais cedo ou mais tarde, enfrentar este problema nas suas aves.
A fêmea, quando está prestes a pôr ou algumas vezes no meio da postura, amanhece toda arrepiada quieta no chão ou no ninho, os olhos semicerrados.
Apalpando suavemente a região do abdómen, perto da cloaca, pode-se perceber o ovo como que atravessado.
Infecções do oviduto, deficiências de minerais que impedem a perfeita calcificação do ovo, ovos anormais, problemas hormonais e com a hormona que estimula as contrações musculares do oviduto, obesidade, fêmea muito jovem, fraqueza, são as causas principais do ovo atravessado.
Pegue a canária e passe azeite de oliva ou óleo morno, na região da cloaca; massageie o local, segure a fêmea na mão, mantendo-a de costas, com o abdómen virado para cima.
Com o dedo indicador e polegar, localize o ovo e faça pressão suavemente e massageie de forma a induzir a parte rombuda do ovo para a cloaca.
É preciso ter cuidado e paciência para que o ovo não parta, não tente partir o ovo pois pode perfurar o oviduto.
Segure a ave na mão em cima de uma vasilha com água quente, sendo que a fêmea deverá receber apenas o vapor d'água.

Ovos "Claros":




O que fazer com os ovos claros?
É normalmente por volta do sexto dia que o criador observa se os ovos estão fecundados.
Quando não estão, são chamados de "claros". Deve-se então retirá-los?
Sim, se todos estiverem claros.
A fêmea fará então uma outra postura: postura de substituição.
Assim, retirando-se esses ovos evita-se que a fêmea se desgaste por uma incubação inútil e também se ganha-se tempo.

É interessante que o criador conserve cuidadosamente um ou dois ovos claros.
Podem servir para um outro ninho.
Deve-se juntar um ovo claro a uma ninhada pouco abundante de pequenos pássaros.
O ovo claro evita que os filhotes novos sejam esmagados acidentalmente.
Num ninho, vazio, o ovo claro pode estimular a postura ou, como se verá, constatando-se se um casal não come os ovos.
Se numa postura ocorreu apenas um ovo claro, estando os outros fecundados, deve-se então deixá-lo.


Ovo rachado e ovo furado:

Se um ovo acidentalmente rachado, é possível conservá-lo usando-se cola ou gesso com um pincel.
Geralmente, porém, este ovo gera pela contaminação com micróbios.
Quando um ovo está furado, isto geralmente acontece devido às unhas muito pontiagudas dos pais.
Esse ovo não se desenvolverá.
É muito raro que o ovo seja furado por uma bicada; o furo seria muito maior e, frequentemente, quando isso ocorre, o ovo é comido pelos pais.
É necessário observar para que as unhas não fiquem afiadas e, se necessário, deve-se cortar suas pontas com tesoura.

A experiência tem mostrado que a fêmea move os ovos regularmente, isso pode ser verificado pela marcação suave com um lápis.
Deslocando-se os ovos ela permite uma incubação regular: os ovos situados na periferia recebem menos calor que aqueles do centro do ninho o que poderia acarretar uma demora no seu desenvolvimento.
A fêmea muda então os ovos do centro para a periferia e vice-versa.
Alguns casais de aves parecem poder avaliar o grau de desenvolvimento do embrião, seja pelo equilíbrio do ovo, seja pelos primeiros gritos dos filhotes prestes a nascerem.

Os recém-nascidos jogados para fora do ninho:

A eclosão geralmente ocorre pela manhã e é quando o criador encontra 1 ou 2 filhotes fora do ninho, já frios.
Se eles ainda se movem, pode-se aquecê-los com um bafejo antes de retorná-los ao ninho.
Porém deve-se ter mais atenção e revê-los sempre, pois correm o risco de serem novamente jogados para fora.

Aí surge uma dúvida; foi acidente ou foi ato voluntário? 
A confirmação do acto voluntário é dada por pequenas feridas produzidas pelo bico do pai que expulsou os filhotes, geralmente causadas numa pata ou asa do filhote.
Quando isso acontece, pode-se colocar os filhotes no ninho de um outro casal, onde geralmente são bem acolhidos quando nesse novo ninho existem filhotes de idade semelhante.
Se os filhotes são recolocados com a mãe, é conveniente retirar-se o macho.
Geralmente o macho é o culpado.
Para ele, os filhotes no meio dos ovos não eclodidos são tomados como intrusos ou corpos estranhos que precisam ser retirados. Durante a incubação e na semana subsequente os pais vigiam atentamente a limpeza do ninho.
É raro que todos os filhotes sejam expulsos; eles não o são quando fica ainda um ou dois ovos no ninho, após sua eclosão.

O número óptimo de filhotes:

Quando existem muitos filhotes num ninho raramente eles se desenvolvem convenientemente.
Frequentemente um fica mais atrasado, seja o último a nascer, seja uma mutante.
Toda a ninhada pode ter seu desenvolvimento retardado porque os pais não conseguem satisfazer a todos os filhotes.
Ao contrário, se a ninhada é de apenas um filhote, ela arrisca ser abandonada pelos pais quando desejam recomeçar uma nova ninhada.
Existe um número óptimo de filhotes.
Ele depende das aves.
Para os canários e pequenos exóticos é de três filhotes, raramente quatro.
Dessa forma tem-se maiores possibilidades de obter-se pássaros grandes.
A procura dos filhotes pelo alimento é muito importante para estimular os pais, mas não deve ser excessiva e, por conseguinte, para que todos os filhotes sejam bem nutridos.
É interessante que o criador equilibre as ninhadas, às vezes removendo um ou dois filhotes.
Se eles não estiverem anilhados, pode-se marcá-los com um hidrocor.
Quando começarem a emplumar fica fácil de identificá-los e, assim, colocar a anilha.
Salvo quando houver necessidade, não se deve provocar a saída dos filhotes do ninho.
É preciso que saíam por si sós.
Se forçarmos a saída deles, ficarão mais selvagens, mais tímidos.
Ficando mais tempo no ninho, sentem-se mais seguros.
É possível que anomalias de comportamento sejam provenientes de uma "má saída" do ninho. "